(...)


page 1 of 2 »
theme por queridasolidão; base por maxdavis e com alguns detalhes inspirados em es♥jk. não copie, pfv.

“O que houve? Consegues explicar-me? Continuo aqui, parada no mesmo lugar em que me deixaste, com minha cabeça dando mil voltas. As borboletas morreram em minha barriga, sinto meu coração batendo cada vez mais lentamente… Preciso de alguém para me salvar. Onde está meu herói? Preciso de um neste momento. De alguém que olhe em meus olhos, pegue em minha mão e diga ‘estou ao seu lado’. Alguém quer ser meu herói? Alguém? (…) Ninguém?” (coffe&cigarette)

“O que houve? Consegues explicar-me? Continuo aqui, parada no mesmo lugar em que me deixaste, com minha cabeça dando mil voltas. As borboletas morreram em minha barriga, sinto meu coração batendo cada vez mais lentamente… Preciso de alguém para me salvar. Onde está meu herói? Preciso de um neste momento. De alguém que olhe em meus olhos, pegue em minha mão e diga ‘estou ao seu lado’. Alguém quer ser meu herói? Alguém? (…) Ninguém?” (coffe&cigarette)

(Source: imperfectionous)



sociedadedoente:

Antes, teu sorriso era fonte resplandecente da felicidade que carregava contigo e teus olhos poderiam ser comparados a estrela mais brilhante que se encontrasse no céu. Porém agora teus lábios estão sempre cravados e a luz de teus olhos apagou-se por completo, deixando tudo em total escuridão e desolação. Vivia por ai, com os olhos umedecidos de lágrimas e o coração seco diante de tantas decepções, tudo o que poderia fazer era continuar vivendo — ou sobrevivendo. (Sociedade Doente)

sociedadedoente:

Antes, teu sorriso era fonte resplandecente da felicidade que carregava contigo e teus olhos poderiam ser comparados a estrela mais brilhante que se encontrasse no céu. Porém agora teus lábios estão sempre cravados e a luz de teus olhos apagou-se por completo, deixando tudo em total escuridão e desolação. Vivia por ai, com os olhos umedecidos de lágrimas e o coração seco diante de tantas decepções, tudo o que poderia fazer era continuar vivendo ou sobrevivendo. (Sociedade Doente)



Detalhes, palavras, gestos…. Sim, eles fazem a diferença.



Meus olhos estão começando a lagrimejar. Não há mais posição que não doa meu corpo. Meu cabelo está me incomodando. Meus pés estão frio. Meu corpo está quente. Preciso de algo, preciso de alguém. Preciso de você.

(Source: 01561)



“Iríamos ser o típico casal rotineiro e clichê. Passaríamos tardes assistindo filmes de época na televisão, enrolados em um cobertor quente; você estaria fazendo um leve carinho no me braço, enquanto eu o adormecia com um ótimo cafuné. Correríamos todas as manhãs, antes do trabalho, pela praia. Nos finais de semana, teria uma leve guerra de comida enquanto preparávamos o almoço e depois limparíamos tudo, rindo da nossa brincadeira boba e infantil. Dias dos namorados, para nós, seria o momentos das flores e dos chocolates, nada de presentes careiros. Os natais seriam um ano com a minha família e o outro com a sua. No ano novo, alugaríamos uma casa de praia e abriríamos um champanhe nos últimos dez segundos antes da queima de fogos, nos beijaríamos no primeiro minuto do novo ano. E em todas as noites, dormiríamos de conchinha, mas antes de pegarmos no sono, eu diria um “eu te amo” e o beijaria como se fosse a primeira vez, você me corresponderia com um “eu também te amo” e depois me abraçaria. […] Viveríamos felizes até quando fosse possível. Sem “para sempre”, sem pensar no futuro, sem expectativas. Simplesmente vivendo, mas vivendo juntos.”

“Iríamos ser o típico casal rotineiro e clichê. Passaríamos tardes assistindo filmes de época na televisão, enrolados em um cobertor quente; você estaria fazendo um leve carinho no me braço, enquanto eu o adormecia com um ótimo cafuné. Correríamos todas as manhãs, antes do trabalho, pela praia. Nos finais de semana, teria uma leve guerra de comida enquanto preparávamos o almoço e depois limparíamos tudo, rindo da nossa brincadeira boba e infantil. Dias dos namorados, para nós, seria o momentos das flores e dos chocolates, nada de presentes careiros. Os natais seriam um ano com a minha família e o outro com a sua. No ano novo, alugaríamos uma casa de praia e abriríamos um champanhe nos últimos dez segundos antes da queima de fogos, nos beijaríamos no primeiro minuto do novo ano. E em todas as noites, dormiríamos de conchinha, mas antes de pegarmos no sono, eu diria um “eu te amo” e o beijaria como se fosse a primeira vez, você me corresponderia com um “eu também te amo” e depois me abraçaria. […] Viveríamos felizes até quando fosse possível. Sem “para sempre”, sem pensar no futuro, sem expectativas. Simplesmente vivendo, mas vivendo juntos.”




Nem sei mesmo pra que eu tenho um coração já que eu não posso mandar nele.

Nem sei mesmo pra que eu tenho um coração já que eu não posso mandar nele.

(Source: s2ordinario)



Sei lá, me chama de “minha pequena” e eu marco a data do nosso casamento.



É uma sensação tão boa fazer quem a gente ama sorrir.

(Source: nohastears)